domingo, março 04, 2012

Da chance de dizer tchau

Em outubro, peguei os últimos documentos que precisava para dar entrada no pedido de dupla nacionalidade.
Envie, por correio, toda a papelada para o consulado português e continuei a viver minha rotina.
Sexta-feira, dia 02 de março de 2012, chegou o boleto para pagar o processo.
O que isso quer dizer?
Que o processo foi aprovado. Pagando o boleto é questão de tempo até ter o passaporte comunitário.
E aí, vou poder "jogar" em qualquer time do Velho Mundo.
A primeira coisa que passou pela minha cabeça foi largar tudo e meter o pé.
Crise, que crise?

Então você começa a pensar.
Sai para a feira de São Cistovão, assiste um bloco de carnaval tocando música brega (ou quase isso).
Come Tacacá e toma suco de taperebá.
Vê futebol na televisão e lê, nO Globo, que as obras da Copa não saem do papel.

Viver no Brasil é uma montanha-russa de emoções.
É penar no paraíso.
É aceitar a não-perfeição e tentar fazer o melhor, relevando todas as mazelas que insistem em bater na sua cara, dia após dia.

E a chance, a oportunidade de dizer tchau a qualquer momento, é reveladora.
Abre uma janela, remexe com um pedaço da cabeça, celebra memórias nem tão antigas.
Era fácil vestir a camisa da Inglaterra e sair por aí, fingindo ser saxão.
Era mole falar que nada aqui funcionava e que Londres era a perfeição, logo ali, um oceano depois.
Parecia ser a mais natural das despedidas, dar adeus aos tupiniquins e me misturar entre os colonizadores.

Hoje já não sei. Deve ser coisa da idade, do medo do erro, quando não há tanto tempo para consertar.
É preciso pensar, refletir, planejar. E acabar por descobrir que bom mesmo, é onde você está.
Seja aqui, ali ou acolá.

Dito isso, começo a planejar os próximos passos que darei, até o fim do ano.

4 comentários:

Gil Pender - Livre como um táxi disse...

Bom mesmo é aqui é o car...!

Vou meter logo a boca: o Brasil é um pedaço de merda, e o Rio é aquele pedaço de merda com aerosol cheiroso por cima: engana, mas no fundo é merda de qualquer jeito.

Mas a gente vai ficando, vai se acostumando à merda, a família está aqui, os amigos tb, as lembranças etc. Tudo isso + a comodidade e... BUM!

Se Deus é brasileiro, SOMOS JÓ!

Favor ler o livro de Jó.

Beijundas.


OBS: Brasil - mais uns 50 anos de progresso e chegamos ao século XIX.

Pode?

VAZA!

Paul MacLeod disse...

Massa, Taylor, um dia terei a atitude de correr atrás do meu também.

Ju disse...

po, vc eh uma contradicao. falou pra mim exatamente o contrario! se empolgou, quer ir, sabe ate pra onde. quem disse isso tudo ai - a parte de pensar e pesar, nao a de que aqui eh "o" lugar, ate pq, sei nao... - fui eu!

TCo disse...

Eu to limado. Meu bisavô me fez o "favor" de se naturalizar..